Resumo do filme O Nome da Rosa


Fonte da imagem: Razão Inadequada

Foto: Adoro Cinema




Direção: Jean-Jacques Annaud
Gêneros: Aventura, 
Drama, Suspense
Nacionalidades: França, 
Itália, Alemanha.






A narrativa fílmica O Nome da Rosa é uma adaptação cinematográfica do livro de mesmo nome de autoria de Umberto Eco. Os acontecimentos da trama ocorrem no ano de 1327, no período histórico conhecido como Alta Idade Média, em um mosteiro ou abadia beneditina no norte da Itália.
O frade William de Baskerville e o seu discípulo, o noviço Adso de Melk, são incumbidos da missão de desvendarem as misteriosas mortes de monges do mosteiro. Ao contrário dos demais clérigos, que acreditavam serem as mortes obras da ação demoníaca e sinais do apocalipse, William e Adso são movidos pelo conhecimento racional, pela experiência, pela investigação e a dedução. Aos poucos vão associando as pistas e através da razão e da lógica encontram a verdade dos fatos.
Este período histórico da humanidade também ficou conhecido como idade das trevas, pois foi um momento de pouca ou praticamente nenhuma evolução na política, na cultura, na economia e, sobretudo, no conhecimento das ciências. Todos viviam imergidos na escuridão da ignorância e do desconhecimento, afinal o saber predominante era o conhecimento teológico e religioso da Igreja Católica que difundia seus dogmas como verdades absolutas incontestáveis.
Quem ousasse contestar ou pensar através de outros prismas e sobre outras perspectivas que não fossem alinhadas com a doutrina cristã era considerado herege, infiel ou cético e, portanto, perseguido, torturado e muitas vezes condenado a morte na fogueira em praça pública para servir de exemplo aos ditos subversivos ou revolucionários que questionavam a ordem estabelecida ou o status quo. Estes eventos foram perpetrados pela chamada Santa Inquisição, um tipo de tribunal estabelecido pela Igreja Católica para punir aqueles que eram contra a ideologia e o conhecimento religioso e as ordens impostas pelos clérigos.
Os recém-chegados investigadores enfrentam as arbitrariedades do Grão-Inquisidor Bernardo Gui que foi chamado para punir com veemência os culpados pelos assassinatos. William é o seu antigo desafeto e se tornou alvo das suas suspeitas equivocadas. Acabou condenando uma jovem moça e um monge à morte na fogueira sendo acusados de heresia, ou seja, de bruxaria.
Outra temática abordada na película é o abuso e a violência praticados contra as mulheres, muitas das quais eram obrigadas pelas circunstâncias de pobreza e miséria a se prostituirem em troca de mantimentos para a sua sobrevivência e de sua família. Sofriam além de discriminações verbais violência física e até mesmo eram mortas. O noviço Adso se envolve sexualmente com a moça que fora condenada pela inquisição e se compadece da sua situação de miséria e desigualdade social.
William descobre que as mortes eram atribuídas a uma biblioteca enorme e misteriosa escondida nos recônditos do monastério. Nela eram encontrados livros das várias áreas do conhecimento já produzido, como obras profanas e sagradas. Ninguém poderia ter acesso ao conhecimento nela contido com exceção de alguns monges, afinal ali encontrava-se muitos livros filosóficos, como o de Aristóteles que abordava a comédia e o riso, os quais eram condenados pela igreja como um ato que levaria a desobediência e a falta de temor dos homens a Deus.
Ficou claro que quem conseguisse entrar na biblioteca labiríntica, a qual simbolizava o caminho cheio de obstáculos para se chegar ao conhecimento e a verdade, e tivesse acesso a este livro de Aristóteles morria envenenado, pois em suas páginas foi colocado veneno por um dos monges e quem tinha o hábito de ler molhando os dedos de saliva na língua se envenenava e assim não conseguia ler o que estava escrito e nem disseminar para os demais. As manchas roxas nos dedos e na língua de todos os mortos foram uma das evidências e provas principais que levaram à conclusão e ao desfecho dos fatos, assim como a descoberta da biblioteca e do livro supracitado.
Em um acidente e na tentativa de fugir o, monge assassino coloca fogo no local assustando os inquisidores que fogem e não queimam na fogueira todos os condenados, inclusive a jovem moça que tivera um romance com Adso. Willian e seu aprendiz conseguem salvar algumas obras e partem de volta após descobrirem e revelarem a verdade dos crimes.
A ameaça, a perseguição, a tortura e a morte eram uma das formas encontradas pela Igreja para manter a sua hegemonia e legitimidade perante o povo, além de manter todos os conhecimentos produzidos que eram considerados profanos longe do alcance do povo, o mantendo assim em total alienação e obediência, temendo que o seu acesso colocasse em xeque o seu poderio e a sua hegemonia enquanto instituição dominante que determinava a direção ética, política e social que todos deveriam assumir como únicas e inquestionáveis.

Autor: Marcondes Torres. 

Por favor, compartilhe!

  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

Nenhum comentário :

O que achou do blog? (Sugestões, Críticas, Opiniões e Elogios)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha Estante

Meu Livro!

Scroll to top